Publicado em Uncategorized

texto sobre Ici – impressoes sobre o tutano

Hoje eu me diverti lendo este texto. Depois de um ano da publicação deste blog que exalta o tutano, segue um texto com impressoes a respeito de uma receita com tutano.

Tutano

  fonte : http://www.estadao.com.br/noticias/suplementos-paladar,tutano,3465,0.htm  de 03 de dezembro de 2009 | 13h 02

Anna Angotti & Demian Takahashi: Sempre que encaramos essa entrada de peso do Ici, ficamos nos perguntando como é possível ela ser ao mesmo tempo tão gorda e tão reconfortante. Os ossões inspiram nossos instintos ancestrais: rola uma ansiedade enquanto o tutano – macio, quente e guloso – vai se soltando do osso, um conflito entre querer logo raspar a última gordurinha e torcer para que ela não acabe nunca. Taí: se existisse comfort food no tempo das cavernas, seria algo bem próximo disso. Claro, sem as torradinhas e o molho de ervas – único lembrete de que estamos em um restaurante no século 21.

Blog Alho, Passas e Maçãs: Tutano é coisa séria. Tanto que requer instrumental cirúrgico e delicada operação para extrair o que deve ser comido. Mas quando você tira e coloca sobre a torradinha… Está tudo ali. O sabor algo primevo que faz pensar no primeiro sujeito a perceber que havia algo a ser comido dentro do osso. O caráter lúdico de comer o que precisa ser desenterrado. A consistência gelatinosa, com variação de tons. O sabor que num instante é intenso e no outro, suave. O tutano do Ici é servido num par, acompanhado de molho de salsinha e, claro, torradinhas (as que vêm no prato e acabam umedecidas pelo caldo do osso são as melhores). Sozinho, comido às colheradas, ou montado com os acompanhamentos, estava ótimo. Deu vontade de cometer algumas indignidades à mesa: sugar o restinho por baixo, lamber o osso, guardá-lo no bolso para roer em casa… Me contive, claro. Numa categoria com fortes concorrentes, ele bateu na trave.

Braulio Pasmanik: Assim como dobradinha, jiló ou pequi, o tutano tem grandes fãs e grandes detratores. No meu caso, adoro o seu sabor e textura untuosa, mas gosto de usá-lo como manteiga,numa torrada. Comer uma porção generosa de tutano, com o perdão do trocadilho é quase insano.

Jacques Trefois: O prato se resume a dois ossos cheios de tutano dentro, bem quente. Parece que jogaram umas gotas de aceto balsâmico ou coisa similar por cima. Acho mesmo que estraga o fino sabor do tutano. Importante dizer que se trata de uma injeção de colesterol na veia. Mais e bem gostoso numa torrada com sal.

Janaina Fidalgo: Dentro de dois despretenciosos, mas bem vestidos ossinhos, esconde-se a essência do sabor da carne. O mérito, aqui, está na mínima interferência da cozinha, minimalista até na apresentação. Puro deleite.

Luiz Américo Camargo: Não houve a moda do tomate seco? E a do petit gâteau? Por que tutano não vira moda também? Está ali a essência bovina. É uma delícia como entrada, é uma diversão cavocar o interior dos ossos. Ainda bem que está sempre no cardápio do Ici.

Luiz Horta: Um dos bons pratos do Ici, mas pessoalmente não gosto de tutano sem a carne do ossobucco, enjoo logo.

Neide Rigo: O tutano estava impecável, se soltando do osso, mas ainda estruturado, muito saboroso. A gordura suave se ressaltava com a acidez doce da redução de vinho do porto. O único defeito é a quantidade reduzida de torradinhas, que se acabam muito antes do tutano.

Patrícia Ferraz: Foi minha grande surpresa nesta edição do Prêmio. A untuosidade se combinou perfeitamente com o toque de alho e salsinha, o sabor delicado, suave e ainda para quebrar a gordura, tinha a torradinha quente. Nota 10.

Roberto Smeraldi: Tentador e sensual, um concentrado de sabor. Um prato perfeito para quem privilegia a qualidade sobre a quantidade. E bem raro de se encontrar nos restaurantes de São Paulo. Quase nos deixa torcer para que o Ici passe a servir também timo, para honrar sua fama de bistrô verdadeiro.

Silvio Giannini: Ali está ele, o osso cortado da canela de um bovino, em pé, exposto como um troféu. Do seu interior, quentíssimo, borbulha aquela potente “gelatina” e seu generoso aroma untuoso. Intenso, alta voltagem, muito bem preparado. Torradas crocantes perfeitas escoltam o conjunto e o talherzinho para pesquisar as profundezas desta iguaria já é, em si, um programa divertidíssimo. Depois de prová-lo já coloco a categoria “Entradas” como a mais disputada do ano. Difícil decisão deixá-lo longe das primeiras colocações.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s